Andrzej Duda

Andrzej Duda
Andrzej Duda
Presidente da Polônia 22
Período 6 de agosto de 2015 – presente
Antecessor(a) Bronisław Komorowski
Membro do Parlamento Europeu
Período 1 de julho de 201425 de maio de 2015
Dados pessoais
Nascimento 16 de maio de 1972 (50 anos)
Cracóvia, Polônia
Alma mater Universidade Jaguelônica
Cônjuge Agata Kornhauser-Duda
Filhos 1
Partido União da Liberdade (2000–2001)
Lei e Justiça (2005–2015)
Religião Católico Apostólico Romano

Andrzej Sebastian Duda (Cracóvia, 16 de maio de 1972) é um político polonês, que serve como presidente do seu país desde agosto de 2015.[1] Antes da presidência ele atuava como advogado, formado pela Universidade Jaguelônica, e foi membro do Parlamento Europeu de 2014 a 2015.[2]

No começo de 2015 foi candidato pelo partido Lei e Justiça nas eleições presidenciais, onde derrotou o presidente no cargo, Bronisław Komorowski.[3] Foi reeleito em julho de 2020 para a presidência.[4]

Posições Políticas

Violação da Constituição

Andrzej Duda se recusou declarar qualquer um dos cinco candidatos a juiz do Tribunal Constitucional selecionados pelo Sejm do VII mandato. Três deles foram selecionados desde 7 de novembro de 2015, cuja eleição foi declarada constitucional.[5] Em 28 de dezembro de 2015, Duda assinou o projeto de lei do Tribunal Constitucional (aprovado em 22 de dezembro de 2015 pelo Sejm), que viola inequivocamente a Constituição da Polônia, de acordo com o Conselho Nacional do Judiciário da Polônia[6].

Em 2018 o governo polonês recuou em alguns posto por pressão externa.[7]

Questão da cumplicidade acerca do holocausto na Polônia

Em fevereiro de 2018, Duda disse que assinaria uma emenda à lei do Institute of National Remembrance, tornando ilegal acusar 'a nação polonesa' de cumplicidade no Holocausto e outras atrocidades nazistas alemãs, uma medida que prejudicou as relações com Israel, com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu chegando a acusar o governo polonês de "negação do holocausto".[8][9][10]

Posição sobre os direitos LGBT

Em junho de 2020, Duda disse que não permitiria que casais gays se casassem ou adotassem filhos, descrevendo o movimento LGBT como "uma ideologia estrangeira" e comparando-o à doutrinação na União Soviética. Ele também prometeu proibir o "ensino LGBT" nas escolas[11][12]. Em resposta aos comentários de Duda, o ex-primeiro-ministro da Bélgica Elio Di Rupo pediu publicamente à Comissão Européia uma reação oficial.[13][14] Logo após seus comentários, Duda convidou o candidato à presidência Robert Biedroń (que solicitou a reunião do Presidente) e um ativista LGBT, Bartosz Staszewski ao Palácio Presidencial[15], apesar de Robert Biedroń eventualmente não aceitar o convite dizendo que não aceitará até o presidente Duda pedir desculpas.[16] Segundo Staszewski, durante sua reunião, Duda citou a liberdade de expressão para defender suas palavras sobre a "ideologia LGBT".[15]

Em 4 de julho de 2020, Duda propôs mudar a constituição para proibir os casais LGBT de adotarem filhos. Em 6 de julho de 2020, ele assinou um documento com um esboço presidencial da emenda à Constituição polonesa.[17]

Política Externa

Em 4 de novembro de 2015, durante um encontro com o Presidente da Roménia Klaus Iohannis[18] em Bucareste, Romênia, ambos os líderes oficializaram a criação da organização Bucharest Nine, em reação ao expansionismo russo sobre a Ucrânia. O grupo é composto por nove Repúblicas ex-soviéticas, que incluem a Bulgária, República Tcheca, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia e Eslováquia, além da Polônia e Romênia.[19]

Em 2017, Duda se encontrou com o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, no qual elogiou a resposta de Erdoğan à Crise de refugiados na Europa. No encontro, o presidente polônes também reiterou o apoio da Polônia à Adesão da Turquia à União Europeia.[20]

Em maio de 2019, o presidente polônes visitou o Azerbaijão para se encontrar com o presidente Ilham Aliyev. Durante sua visita ao país, Duda disse que o "gás e o petróleo fluirão do Azerbaijão também para a Polônia. Eles fluirão através do Azerbaijão, onde os corredores de transporte que estão atualmente em construção constituem e constituirão os elementos" da Iniciativa do Cinturão e Rota da China.[21]

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, elogiou a atuação de Duda, além de oferecer apoio político para sua campanha na Eleição presidencial polonesa em 2020.[22][23] Em 12 junho de 2019 o presidente norte-americano anunciou sua intenção de deslocar mais de 1.000 soldados de suas bases militares na Alemanha para a Polônia, em reforço aos mais de 4.500 soldados estadunidenses no país como parte do acordo firmado em 2016 com a OTAN[24]. O acordo foi assinado no dia 15 de agosto de 2020, em Varsóvia, pelo então Secretário de Estado Mike Pompeo.[25]

Relações com Jair Bolsonaro

No Fórum Econômico Mundial de 2019, em Davos, Jair Bolsonaro se reuniu apenas com presidentes de posições de política de extrema-direita, inclusive Andrzej Duda.[26] Em julho de 2020 a família de Jair Bolsonaro presta homenagem à reeleição de Duda.[27] Mas apesar das aproximações entre ambos os mandatários, o governo Polones recusou a visita da comitiva presidencial após o encontro do brasileiro com Vladimir Putin em 16 de fevereiro, oito dias antes da Invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022.[28]

Referências

  1. «Andrzej Duda Elected Poland's New President, Incumbent Bronislaw Komorowski Concedes Defeat». The Huffington Post. Consultado em 25 de maio de 2015 
  2. "Poland's Andrzej Duda: From boy scout to president". Página acessada em 12 de agosto de 2015.
  3. "Conservative Duda wins Poland's presidential vote". Página acessada em 12 de agosto de 2015.
  4. «Andrzej Duda é reeleito presidente da Polônia». G1. Consultado em 13 de julho de 2020 
  5. «Wyrok Trybunału Konstytucyjnego z dnia 3 grudnia 2015 r. sygn. akt K 34/15». isap.sejm.gov.pl. Consultado em 14 de julho de 2020 
  6. «Aktualności - Stanowisko Prezydium Krajowej Rady Sądownictwa w sprawie uchwalonej 22 grudnia 2015 r. zmiany ustawy o Trybunale Konstytucyjnym (Dz. U. poz. 1064 ze zm.) - Krajowa Rada Sądownictwa». web.archive.org. 18 de outubro de 2018. Consultado em 14 de julho de 2020 
  7. Hervás, María (22 de novembro de 2018). «Governo da Polônia recua e altera reforma judicial reprovada pela UE». EL PAÍS. Consultado em 14 de julho de 2020 
  8. «Presidente polonês sanciona lei polêmica sobre Holocausto». VEJA (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2020 
  9. «Polish president signs Holocaust bill, triggers Israeli, U.S. criticism». Reuters (em inglês). 6 de fevereiro de 2018 
  10. Santora, Marc (6 de fevereiro de 2018). «Poland's President Supports Making Some Holocaust Statements a Crime». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  11. «Polish Leader Casts Gays as Enemy in Bid to Revive Campaign». BloombergQuint (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2020 
  12. Proquest digitized newspapers: The New York Times recent. (em English). [S.l.: s.n.] 2008. OCLC 1035502633  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)
  13. «Elio Di Rupo geschokt door uitlatingen Poolse president over "LGBT-ideologie"». www.msn.com. Consultado em 14 de julho de 2020 
  14. «Privacy settings». myprivacy.dpgmedia.be. Consultado em 14 de julho de 2020 
  15. a b «Duda zaprasza Biedronia z matką do pałacu. Zaprasza także aktywistę LGBT». wiadomosci.onet.pl. 16 de junho de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020 
  16. «Biedroń nie przyjdzie na spotkanie z Dudą. "Nie przeprosił za swoje słowa, chce nas wykorzystać"». gazetapl (em polaco). Consultado em 14 de julho de 2020 
  17. «Polish president proposes constitutional ban on gay adoption». NBC News (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2020 
  18. «Bilateral visit of President of Romania, Mr. Klaus Iohannis, in the Republic of Poland and his participation in the High Level Meeting of the Bucharest Format (B9), on 7-8 June 2018». www.presidency.ro. Consultado em 9 de maio de 2022 
  19. Gerasymchuk, Sergiy (julho de 2019). Bucharest nine : Looking for cooperation on NATO's Eastern flank?. Friedrich-Ebert-Stiftung Büro Kiew. Kyiv: [s.n.] OCLC 1112141478 
  20. «President: Poland backs Turkey's European ambitions». Oficjalna strona Prezydenta Rzeczypospolitej Polskiej (em inglês). 17 de outubro de 2017. Consultado em 9 de maio de 2022 
  21. S.A, Telewizja Polska. «I hope gas and oil will flow from Azerbaijan to Poland: President Duda». tvpworld.com (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2022 
  22. CNN, Kevin Liptak. «Trump's first foreign visitor amid pandemic is Poland's nationalist president». CNN. Consultado em 9 de maio de 2022 
  23. «Andrzej Duda é reeleito presidente da Polônia». G1. Consultado em 9 de maio de 2022 
  24. «Trump anuncia que enviará mais soldados à Polônia – DW – 13/06/2019». dw.com. Consultado em 9 de maio de 2022 
  25. «Fechado acordo para envio de mil soldados dos EUA à Polônia – DW – 15/08/2020». dw.com. Consultado em 9 de maio de 2022 
  26. «Agenda de Bolsonaro se limita a encontros com nacionalistas». R7.com. 22 de janeiro de 2019. Consultado em 14 de julho de 2020 
  27. «Eduardo Bolsonaro comemora no Twitter vitória do candidato de ultradireita da Polônia». Revista Fórum. 13 de julho de 2020. Consultado em 14 de julho de 2020 
  28. «Governo da Polônia recusa encontro com Bolsonaro; presidente do país está sem tempo». Revista Fórum. Consultado em 9 de maio de 2022 
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Andrzej Duda

Precedido por
Bronisław Komorowski
Presidente da Polônia
2015 - presente
Sucedido por
-
Ícone de esboço Este artigo sobre um político polonês/polaco é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  • v
  • d
  • e