Louis Mountbatten, 1.º Conde Mountbatten da Birmânia

Louis Mountbatten
Nome completo Louis Francis Albert Victor Nicholas Mountbatten
Nome de nascimento Luís Francisco Alberto Vítor Nicolau de Battenberg
Apelido Lorde Mountbatten
Dickie
Dados pessoais
Nascimento 25 de junho de 1900

Windsor, Berkshire,
 Reino Unido
Morte 27 de agosto de 1979 (79 anos)
Mullaghmore, Sligo,
 Irlanda
Esposa Edwina Mountbatten
Vida militar
País  Reino Unido
Força Naval Ensign of the United Kingdom.svg Marinha Real Britânica
Anos de serviço 1913–1965⁹⁷
Hierarquia Almirante de Esquadra
Comandos HMS Daring
HMS Wishart
HMS Kelly
HMS Illustrious
Chefe de Operações Combinadas
Comandate do Sudeste da Ásia
Comandante Supremo Aliado
Quarto Lorde do Mar
Esquadra do Mediterrâneo
Primeiro Lorde do Mar
Chefe do Estado-Maior de Defesa
Batalhas Primeira Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
Honrarias Cavaleiro da Jarreteira
Cavaleiro da Grande Cruz da Ordem do Banho
Membro da Ordem do Mérito
Cavaleiro Grande Comandante da Ordem da Estrela da Índia
Cavaleiro Grande Comandante da Ordem do Império Indiano
Cavaleiro da Grande Cruz da Real Ordem Vitoriana
Ordem de Serviços Distintos
Menção nos Despachos
Legião do Mérito
Venerável Ordem de São João
Ordem da Coroa da Romênia
Ordem do Serafim
Ordem do Elefante Branco
Medalha de Serviço Distinto (Exército dos Estados Unidos)
Ordem de São Bento de Avis
Cavaleiro Grã-Cruz da Ordem de Isabel a Católica
Cavaleiro Grã-Cruz da Ordem do Elefante Branco
Grã-cruz da Ordem Nacional da Legião de Honra

Louis Francis Albert Victor Nicholas Mountbatten, 1.º Conde Mountbatten da Birmânia KG GCB OM GCSI GCIE GCVO DSO PC FRS (Windsor, 25 de junho de 1900 – Mullaghmore, 27 de agosto de 1979), nascido como príncipe Luís de Battenberg, foi um oficial militar britânico, tio do príncipe Filipe, Duque de Edimburgo e primo da rainha Isabel II do Reino Unido. Ele foi Supremo Comandante Aliado do Sudeste da Ásia durante a Segunda Guerra Mundial. Mountbatten também foi o último vice-rei da Índia e o primeiro governador-geral do independente Domínio da Índia, do qual a moderna Índia surgiu. De 1954 a 1959 foi o Primeiro Lorde do Mar, uma posição que havia sido ocupada quarenta anos antes por seu pai, Luís de Battenberg. Em seguida serviu como Chefe do Gabinete de Defesa, se aposentando em 1965.

Mountbatten, junto com outras três pessoas, incluindo seu neto Nicholas, foram assassinados em 1979 pelo Exército Republicano Irlandês, que havia colocado uma bomba em seu barco de pesca, o Shadow V.

Vida familiar

Mountbatten nasceu em Frogmore House, Windsor, Inglaterra, como Sua Alteza Sereníssima príncipe Louis de Battenberg. Ele era o segundo filho do príncipe Luís de Battenberg e de sua esposa, Vitória de Hesse e Reno. Seus avós maternos foram Luís IV, Grão-Duque de Hesse e a princesa Alice do Reino Unido. Seus avós paternos foram o príncipe Alexandre de Hesse e Reno e a princesa Julia de Hauke.[1]

Ele tinha três irmãos mais velhos: a princesa Alice (mãe do príncipe Filipe), a rainha Luísa da Suécia e George Mountbatten, 2.º Marquês de Milford Haven.

Seu pai era First Sea Lord durante a explosão da Primeira Guerra Mundial, mas o predominante e extremo sentimento antigermânico o obrigaram a renunciar. Em 1917, quando a família real aboliu o uso de nomes e títulos germânicos, o príncipe Louis de Battenberg (seu pai) passou a se chamar Louis Mountbatten, 1.º Marquês de Milford Haven. Como filho de um marquês, Louis adquiriu o título de cortesia de Lorde, passando a ser Lorde Louis Mountbatten. Durante a infância, ele visitou a corte imperial da Rússia, em São Petersburgo, Rússia.[nota 1]

Carreira

Início

Mountbatten serviu à Marinha Real durante a Primeira Guerra Mundial. Em 1922, ele acompanhou Eduardo, então Príncipe de Gales, numa viagem real à Índia (onde ele conheceu sua futura esposa, Edwina Ashley) e consolidou uma firme amizade com o príncipe. Suas relações com Edward decaíram durante o final de 1936, isto é, quando o príncipe assumiu como Eduardo VIII, e durante a crise da abdicação, provocada pelo desejo do príncipe de casar-se com a norte-americana divorciada Wallis Simpson. Com o intuito de salvar a monarquia, Mountbatten apoiou o irmão de Eduardo, o Duque de York, que foi obrigado a ascender ao trono como Jorge VI.

Segunda Guerra Mundial

Mountbatten durante a Segunda Guerra Mundial

Durante a Segunda Guerra Mundial, Mountbatten comandou o 5.º contratorpedeiro Flotilla. Seu navio, o contratorpedeiro HMS Kelly, ficou famoso por suas muitas e ousadas façanhas.[3] Em maio de 1940, Mountbatten liderou uma escolta em pleno nevoeiro para evacuar as forças aliadas participando na campanha de Namsos.[4] Seu navio afundou durante a campanha de Creta.[5] Ainda em 1940, ele inventou a Mountbatten Pink, um pigmento de camuflagem naval.[6]

Em agosto de 1941, Mountbatten foi designado capitão do HMS Illustrious, o qual atracou em Norfolk, Virgínia, Estados Unidos, para reparos devido às operações realizadas em janeiro no Mediterrâneo.[5] Durante este período de relativa inatividade, ele visitou Pearl Harbour, onde não ficou satisfeito com o pobre estado de presteza e falta geral de cooperação entre armada britânica e a marinha americana.[5][7]

Mountbatten era um favorito de Winston Churchill,[8] embora este tenha ficado aborrecido com o papel de Mountbatten na Independência da Índia. Em 27 de outubro de 1941, ele substituiu Roger Keyes como Chefe das Operações Combinadas.[5] Ele promoveu pessoalmente a desastrosa Dieppe Raid (Batalha de Dieppe, (19 de agosto de 1942). Alguns membros do exército aliado, dentre eles o notável Bernard Montgomery, acharam que a batalha tinha sido mal concebida desde o início. As consequências foram a captura e o ferimento de milhares de soldados, cuja maioria era canadense.[9]

Consequentemente, Mountbatten tornou-se uma figura litigiosa no Canadá, fazendo com que suas relações com veteranos canadenses ficassem frígidas até sua morte (1979) e com que aumentasse o distanciamento do Canadá do Reino Unido nos anos pós-guerra.[10][11] Apesar disso, em 1946, um corpo de cadetes foi nomeado a partir dele, em Sudbury, Ontário.[4]

No final de 1942, Mountbatten propôs o Projeto Habakkuk para Churchill, mas nunca foi executado.[12] Em outubro de 1943, o primeiro-ministro designou Mountbatten como Comandante Supremo Aliado nas campanhas da Guerra do Pacífico em Índia, Birmânia, Tailândia, Indonésia, Malásia e Singapura, um posto que ele ocupou até que o comando do sudeste da Ásia fosse dispersado em 1946. Durante o seu comando, supervisionou-se a recaptura da Birmânia (atual Myanmar) aos japoneses pelo general William Slim.[13]

O último vice-rei

Ver artigo principal: Partição da Índia
Bandeira indiana proposta por Mountbatten, consistindo na bandeira do Congresso Nacional Indiano com a bandeira Union Jack no canto superior esquerdo. Foi rejeitada por Nehru, que achava que os membros mais extremistas do Congresso veriam a inclusão da Union Jack em uma bandeira indiana como uma submissão aos britânicos.[14]
Bandeira paquistanesa proposta por Mountbatten, consistindo na bandeira da Liga Muçulmana desfigurada com a bandeira Union Jack no canto superior esquerdo. Foi rejeitada por Jinnah, que achava que uma bandeira com uma cruz cristã ao lado do crescente islâmico seria inaceitável para os muçulmanos do Paquistão.[14]

Sua experiência na região e particularmente suas simpatias com o Partido Trabalhista fizeram com que o primeiro-ministro Clement Attlee o apontasse Vice-Rei da Índia, depois da Segunda Guerra.[15][16] Mountbatten supervisionou a concessão da independência para um Índia dividida entre Índia e Paquistão (nos anos seguintes, a Índia pré-independência com frequência era chamada de "Índia Britânica". Antes da divisão e da independência, a "Índia Britânica" referia-se àquelas partes da Índia que eram diretamente administradas pelos britânicos; em oposição àquelas porções da Índia pré-independência que estavam sob controle de príncipes indianos).[17]

Ele desenvolveu uma forte relação com príncipes indianos, que tiveram uma forte confiança nele. Com base nessa relação e com a monarquia britânica, Mountbatten persuadiu a maioria deles a aceder aos novos estados de Índia e Paquistão.[12] Isso era muito importante para chegar à independência da Índia, embora ultimamente a Índia pós-independência e o Paquistão tenham abolido suas prerrogativas. As províncias da "Índia Britânica" estiveram em geral automaticamente loteadas de modo idêntico à Índia pós-divisão ou ao Paquistão, em base na religião da maioria de tais províncias. A acessão dos principados para um ou para outro dos dois países esteve à vontade de seus respetivos príncipes. Um hindu, o marajá, Hari Singh, escolheu aceder a Índia apesar da maioria dos cidadãos de Jammu e Caxemira ser de religião muçulmana.[18][19]

Jawaharlal Nehru, o líder do Partido do Congresso Nacional Indiano, era um hindu de Jammu e Caxemira que tinha o interesse de reter Jammu e Caxemira para a Índia. Mountbatten se dava extremamente bem com Nehru[20], mas não com Muhammad Ali Jinnah, líder da Liga Islâmica, que era a favor da divisão da Índia, um fator que complicou a questão.[20]

Com a amizade de Nehru e com as relações amigáveis com Mahatma Gandhi, mas incapaz de exercer seu famoso charme em Jinnah[21], Mountbatten rapidamente desistiu da esperança de salvar uma Índia unificada e independente, conformando-se com a divisão num Paquistão pós-independência e em Bharat (Índia).[22] Depois da independência (ocorrida na madrugada entre 14 e 15 de agosto de 1947, celebrada no dia 14 no Paquistão e no dia 15 na Índia), Mountbatten permaneceu em Nova Deli durante dez meses, servindo como o primeiro dos dois governadores gerais da Índia independente até junho de 1948[23] (a monarquia foi abolida em 1950 e o ofício de governador-geral da Índia, suplantado pela presidência não-executiva).

Carreira depois da Índia

Mountbatten em 1972, fotografado por Allan Warren

Depois de seus compromissos na Índia, Mountbatten serviu à Esquadrilha Mediterrânea e como oficial de estado-maior no Supremo Tribunal da Marinha. Ele tinha orgulho e prazer em servir como First Sea Lord e como Chief of the Defence Staff (1959-1965).[23]

É dito que, em 1967, Mountbatten atendeu a um encontro com o barão da imprensa e agente do MI5 Cecil King e o conselheiro científico do governo, Solly Zuckerman. King queria organizar um golpe contra o governo trabalhista de Harold Wilson, então em crise, e incitou que Mountbatten se tornasse o líder de um governo de salvação nacional. Aparentemente, ele considerou a ideia do golpe,[24] mas Zuckerman chamou-lhe a atenção de que isto era traição. Mountbatten então ficou relutante. Alegações a respeito de uma conspiração do M15 contra Wilson tem sido investigadas há muito tempo, mas nenhuma evidência confiável foi descoberta.

Em 1974, a rainha o titulou lorde-tenente da Ilha de Wight, posição que manteve até sua morte. De 1967 até 1978, Mountbatten tornou-se presidente da United World Colleges, um grupo de 12 escolas internacionais que proporciona interação entre jovens de diferentes países, trabalhando e vivendo juntos. A presidência foi passada para Charles, Príncipe de Gales, posteriormente.[25]

Vida pessoal

Relação com o Duque de Windsor

O Príncipe de Gales e Mountbatten durante a Royal Tour 1920

Mountbatten matinha uma relação muito próxima com o primo, o então Príncipe de Gales, filho do rei Jorge V do Reino Unido, e futuro Duque de Windsor. Mountbatten até mesmo foi escolhido para acompanhar o primo durante a Royal Tour 1920, uma série de viagens entre Austrália e Nova Zelândia[26]; Numa posterior tour, em 1921, acompanhando o primo entre Japão e Índia, Mountbatten conheceu sua futura esposa Edwina Ashley[26]; Posteriormente, em 1922, o então Príncipe de Gales foi padrinho de casamento do casal, descrito como "o casal do ano".[27] Após o primo abdicar ao torno para se casar com uma divorciada, Wallis Simpson, a relação entre ele e Mountbatten esfriou, Mountbatten o considerou egoísta[28] e com o intuito de salvar a monarquia, apoiou a ascensão de Jorge VI ao trono, mantendo uma relação cordial com o novo monarca, mas cultivando uma relação não tao próxima com a esposa do mesmo, Isabel Bowes-Lyon.[29]

Sexualidade

Entre círculos sociais da alta sociedade britânica Mountbatten era conhecido por manter relacionamentos com amantes de ambos os sexos[30], bem como "Mountbottom"[31] [nota 2], uma paranomásia em inglês da palavra bottom que pode significar "passivo", termo geralmente usado para se referir à posição da pessoa que é penetrada numa relação sexual homossexual. Elizabeth, Baronesa Decies descreveu Mountbatten como "homossexual e com uma perversão para com meninos jovens".[33][34] John Barratt, secretário privado de Mountbatten por vinte anos, contestou tais alegações.[35]

De acordo com sua filha Pamela Hicks, no livro da mesma Daughter of Empire: Life as a Mountbatten (2012), Mountbatten teria tido um affair com a socialite Yola Letellier[36], também casada. Mountbatten também teria mantido relações amorosas com a atriz Shirley MacLaine.[37]

No documentário Lord Mountbatten: Hero or Villain? (2020), da rede britânica de televisão Channel 5, a sexualidade de Mountbatten é abordada.[38] No documentário Allan Warren, fotógrafo britânico que fotografou Mountbatten, diz que Mountbatten "provavelmente era bissexual, na juventude"[39] e descarta rumores de uma possível ligação amorosa entre os dois.[39]

Casamento aberto

Mountbatten e esposa Edwina

Em 18 de julho de 1922, Mountbatten casou-se com Edwina Ashley, filha de Wilfred Ashley, depois 1.º Barão Mount Temple. Ela era a neta favorita do magnata judeu britânico Sir Ernest Cassel e principal herdeira de sua fortuna. Eles tiveram duas filhas: Patricia e Pamela.

Segundo uma biografia oficial amplamente documentada de Philip Ziegler, o casamento estava completamente tempestuoso, com adúltera licenciosidade de ambos os lados. Particularmente, durante a década de 1930, ambos admitiram muitos casos amorosos. Edwina teve um longo e conhecido relacionamento íntimo com Jawaharlal Nehru, mas a filha de ambos, Pamela Hicks, em seu livro Daughter of Empire: Life as a Mountbatten (2012), aborda que a relação era apenas platônica.[40]

Ao longo de seu casamento Edwina teria mantido relações amorosas com Hugh Molyneux, 7.º Conde de Sefton[41], o jogador de polo Stephen Sanford[41], o ator hollywoodiano Larry Gray[42], o cavaleiro Michael Wardell,[43], o ator e cantor afro-americano Paul Robeson [44], e o cantor granadino Leslie Hutchinson, com quem teria mantido um affair por trinta anos[45] e a quem teria presentado com bijuteria em formato de um pênis incrustada de joias.[46]

Posteriormente, a filha do casal, Pamela, expôs que foi Edwina quem cometeu a primeira infidelidade dentro do casamento, deixando Mountbatten devastado.[46]

De acordo com o biógrafo Andrew Lownie, em seu livro The Mountbattens: The Lives and Loves of Dickie and Edwina Mountbatten (2019), Mountbatten uma vez disse sobre seu casamento: "Edwina e eu passamos todo nosso casamento dormindo em camas de outras pessoas".[47] Lownie ainda destaca que o casal optou por manter um casamento aberto para evitar o escrutínio da sociedade londrina, que, na altura, condenava veemente o divórcio, e poupar suas imagens públicas.[48]

Mentor do Príncipe de Gales

Mountbatten foi uma forte influência na educação de seu sobrinho-neto Carlos, Príncipe de Gales. Segundo a biografia de Carlos por Jonathan Dimbleby, eles chamavam um ao outro de "Avô Honorário" e "Neto Honorário". Mountbatten encorajou Carlos a usufruir da vida de solteiro enquanto podia e a casar-se com uma jovem inexperiente, para garantir uma vida de casado estável.[28] Em 1981, Carlos casou-se com lady Diana Spencer, uma aristocrata protestante.

Póstumas alegações de abuso sexual

Em 20 de agosto de 2019, arquivos se tornaram públicos mostrando que o FBI sabia na década de 1940 que Mountbatten era um suposto pedófilo.[49]

Norman Nield, motorista de Mountbatten de 1942 a 1943, teria tido ao tablóide New Zealand Truth que transportou meninos de 8 a 12 anos, que foram solicitados pelo almirante para a residência oficial de Mountbatten, e que foi pago para manter-se em silêncio. Robin Bryans também afirmou à revista irlandesa Now que Mountbatten e Anthony Blunt, junto com outros, faziam parte de um grupo secreto que organizada orgias homossexuais e buscava meninos em seu primeiro ano em escolas públicas, como a Portora Royal School. Ex-residentes da Kincora Boys' Home ("Lar de Meninos Kincora") em Belfast afirmaram que eles foram traficados para Mountbatten no Castelo Classiebawn, sua residência em Mullaghmore, Condado de Sligo.[50]

[51][52] Essas alegações foram rejeitadas pela Historical Institution Abuse (HIA).[53][54][55] A HIA afirmou que o artigo que fez as alegações originais "não forneceu nenhuma fonte para as acusações contra qualquer uma dessas pessoas [Mountbatten e outros] que estariam envolvidas com o escândalo de Kincora.[53]

Morte

Em 27 de agosto de 1979, enquanto estava de férias em sua propriedade de verão em Mullaghmore, County Sligo, na República da Irlanda, Mountbatten foi assassinado pela explosão de uma bomba, implantada em seu barco na baía de Donegal. O IRA admitiu ter sido o responsável pelo atentado.[56][57] Outros mortos no local foram:

  • A baronesa-viúva Brabourne, a sogra de sua filha mais velha, lady Patricia Mountbatten. (83 anos)
  • Nicholas Brabourne, último filho de lady Patricia (14 anos)
  • Paul Maxwell, um garoto local que desempenhava algumas funções no barco (16 anos)

O assassinato de Mountbatten ocorreu no mesmo dia da morte de dezoito soldados britânicos, do Regimento Parachute (infantaria aerotransportada da Armada Britânica).[58] O presidente da República da Irlanda, Patrick Hillery e o taoiseach (chefe de Estado) Jack Lynch, atenderam o serviço memorial de Mountbatten na Catedral de St. Patrick, em Dublin. Em 23 de novembro de 1979, Thomas McMahon foi sentenciado à prisão pelo assassinato, mas foi solto em 1998, pelo Acordo de Belfast. Mountbatten foi sepultado na Abadia de Romsay, em Hampshire, Inglaterra,[59] e as cerimônias fúnebres, na Abadia de Westminster, foram transmitidas via televisão.

Brasão de armas do príncipe Louis Mountbatten, 1.º Conde Mountbatten da Birmânia.

Títulos

  • 25 de junho de 1900 – 14 de julho de 1917: Sua Alteza Sereníssima, Príncipe Luís de Battenberg
  • 14 de julho de 1917 – 7 de novembro de 1917: Sir Louis Mountbatten
  • 7 de novembro de 1917 – 1946: Lorde Louis Mountbatten
  • 1946 – 1947: O Muito Honorável, Visconde Mountbatten da Birmânia
  • 1947 – 1949: O Muito Honorável, Conde Mountbatten da Birmânia

Notas e referências

Notas

  1. Louis era sobrinho da imperatriz Alexandra Feodorovna, esposa do imperador Nicolau II da Rússia e primo carnal das grã-duquesas Olga, Tatiana, Maria e Anastásia, bem como do herdeiro Alexei. Durante sua viagem à Rússia em 1914, Louis acabou despertando sentimentos românticos em relação à sua prima Maria Nikolaevna da Rússia. Após o assassinato de Maria e sua família por tropas bolcheviques, Louis manteve uma fotografia sua ao lado da cama pelo resto da vida.[2]
  2. Durante sua vida, e depois de sua morte circulavam rumores sobre a sexualidade de Mountbatten, encorajados por sua amizade com homossexuais conhecidos como Noël Coward e Peter Murphy e seu comportamento tátil.[32]

Referências

  1. Burke's Guide to the Royal Family: edited by Hugh Montgomery-Massingberd, pp. 303-304.
  2. King, Greg; Wilson, Penny (2003). The Fate of the Romanovs. Hoboken, Nova Jersey: John Wiley & Sons. ISBN 978-0-471-20768-9 
  3. Zuckerman 1981, pp. 354–366.
  4. a b (Heathcote 2002, p. 185).
  5. a b c d (Heathcote 2002, p. 186)
  6. Phillips, Cecil Ernest Lucas (1960). The Greatest Raid Of All. Boston: Little, Brown. p. 77. OCLC 1260555 
  7. O'Toole, Thomas (7 de dezembro de 1982). «Mountbatten Predicted Pearl Harbor». The Washington Post. Consultado em 9 de julho de 2017 
  8. Gilbert, Martin (1988). Winston S. Churchill: Never Despair: 1945–1965. [S.l.: s.n.] p. 762 
  9. (Villa 1989, pp. 240–241).
  10. «Who Was Responsible For Dieppe?». CBC Archives. 9 de setembro de 1962. Consultado em 1 de agosto de 2007 
  11. (Thompson 2001, pp. 263–269).
  12. a b (Zuckerman 1981, pp. 354–366)
  13. (Heathcote 2002, p. 187)
  14. a b Dipesh Navsaria (27 de julho de 1996). «Indian Flag Proposals». Flags of the World. Consultado em 14 de março de 2020 
  15. (Talbot & Singh 2009, p. 40).
  16. London Gazette (37916). 25 de março de 1947. p. 1399  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  17. «How Vallabhbhai Patel, V P Menon and Mountbatten unified India». 31 de outubro de 2017 
  18. (Schofield 2010, pp. 29–31).
  19. (Guha 2008, p. 83).
  20. a b (Sardesai 2007, pp. 309–313).
  21. (Wolpert 2006, p. 139).
  22. (Ziegler 1985, p. 373).
  23. a b (Heathcote 2002, p. 189).
  24. British army ‘planned military coup’ against Wilson’s Gov’t
  25. «History». UWC. Consultado em 20 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2014 
  26. a b (Heathcote 2002, p. 184).
  27. Von Tunzelmann, p. 71.
  28. a b (Junor 2005, p. 72).
  29. WEAVER, WEAVER (23 de novembro de 2019). «The Crown: The Truth Behind The Queen Mother And Camilla Parker Bowles' Marriage». ELLE. Consultado em 30 de abril de 2022 
  30. Lownie, Andrew (2019). The Mountbattens: Their Lives and Loves 2021 ed. New York: Pegasus Books. pp. 269–283 
  31. Andrew Lownie (22 de agosto de 2019). «28». The Mountbattens: Their Lives & Loves: The Sunday Times Bestseller (em inglês). Londres: Kings Road Publishing. 496 páginas. ASIN B07QGFJBRS. ISBN 1788702573. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  32. Trecho retirado do livro The Mountbattens: Their Lives & Loves: The Sunday Times Bestseller capítulo 28. referência nº 826 (em inglês).
  33. Tucker, Grant (18 de agosto de 2019). «Lord Mountbatten's 'lust for young men' revealed». The Sunday Times. Consultado em 31 de março de 2021 
  34. «FBI files allege Lord Mountbatten, murdered by the IRA, was a pedophile». Irish Central. 20 de agosto de 2019. Consultado em 17 de maio de 2020 
  35. «Book tells of 'bored, bullied' Queen». The Guardian. 23 de abril de 2000. Consultado em 23 de novembro de 2020 
  36. (Hicks 2012, p. 24)
  37. Shukla, Srijan (25 de agosto de 2019). «The private lives of the Mountbattens — Open marriage, flings and paedophilia» 
  38. «Lord Mountbatten: Hero or Villain (2020)». IMDb (em inglês). Consultado em 13 de fevereiro de 2022 
  39. a b Documentário Lord Mountbatten: Hero or Villain?. Youtube. O pronunciamento de Allan Warren encontra-se entre os 1:02:09-1:05:25 minutos. Acessado em 15/02/22. Consultado em 30/04/22.
  40. «Nehru, mom loved each other, did not have time for physical affair: Edwina Mountbatten's daughter». INDIA TODAY. Nova Deli. 30 de julho de 2017. Consultado em 30 de abril de 2022 
  41. a b Lownie, Andrew (2019). The Mountbattens: Their Lives and Loves 2021 ed. New York: Pegasus Books. p. 52 
  42. Lownie, Andrew (2019). The Mountbattens: Their Lives and Loves 2021 ed. New York: Pegasus Books. p. 62 
  43. Lownie, Andrew (2019). The Mountbattens: Their Lives and Loves 2021 ed. New York: Pegasus Books. p. 195 
  44. Lownie, Andrew (2019). The Mountbattens: Their Lives and Loves 2021 ed. New York: Pegasus Books. p. 69 
  45. Lownie, Andrew (2019). The Mountbattens: Their Lives and Loves 2021 ed. New York: Pegasus Books. pp. 70–71 
  46. a b Maloney, Alison (18 de novembro de 2021). «OPEN SECRET Inside Lord Mountbatten & Edwina's 'bed-hopping' marriage – gay brothels, affair with PM & bejewelled penis sheaths». The Sun. UK. Consultado em 13 de fevereiro de 2022 
  47. Lownie, Andrew (2019). The Mountbattens: Their Lives and Loves 2021 ed. New York: Pegasus Books. p. 6 
  48. Lownie, Andrew (2019). The Mountbattens: Their Lives and Loves 2021 ed. New York: Pegasus Books. p. 64 
  49. «FBI files claim Lord Louis Mountbatten was known to be a homosexual and had a 'perversion for young boys» 
  50. Graham, Ysenda Maxtone (30 de agosto de 2019). «The Mountbattens by Andrew Lownie review — the dark side of a famous marriage». The Times. Consultado em 31 de março de 2021 
  51. Johnson, Kathryn (28 de novembro de 2019). «Mountbatten book author seeks more transparency over child sex allegations». Belfast Telegraph. Consultado em 17 de maio de 2020 
  52. Burca, Joseph de. «The Anglo-Irish Vice Ring». Village magazine. Irlanda. Consultado em 17 de maio 2020. Cópia arquivada em 1 de junho de 2020 
  53. a b «Kincora Boys Home» (PDF). Historical Institution Abuse. p. 59. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  54. Lownie, Andrew (7 de novembro de 2017). «The love lives of Lord and Lady Mountbatten – bedhopping, gay affairs and dangerous liaisons». The Times. Consultado em 23 de agosto de 2019 
  55. Chris Moore, The Kincora Scandal, Marino Press, 1996; p90-91
  56. «Britain: A Nation Mourns Its Loss». The Time. 10 de setembro de 1979. Consultado em 20 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2008 
  57. «On This Day: 27 August 1979: IRA Bomb Kills Lord Mountbatten». BBC News. Consultado em 20 de setembro de 2012 
  58. «Was Narrow Water probe doomed from the start?». Belfast Telegraph. 29 de fevereiro de 2012. Consultado em 17 de julho de 2018 
  59. Louis Mountbatten, 1.º Conde Mountbatten da Birmânia (em inglês) no Find a Grave

Bibliografia

  • Coll, Rebecca. "Autobiography and history on screen: The Life and Times of Lord Mountbatten." Historical Journal of Film, Radio and Television 37.4 (2017): 665–682.
  • Copland, Ian (1993). "Lord Mountbatten and the integration of the Indian states: A reappraisal". Journal of Imperial and Commonwealth History. 21 (2): 385–408. doi:10.1080/03086539308582896.
  • Hough, Richard (1980). Mountbatten: Hero of Our Time. London: Weidenfeld & Nicolson. ISBN 978-0-297-77805-9.
  • Knatchbull, Timothy (2010). From a Clear Blue Sky. London: Arrow. ISBN 978-0-09-954358-9.
  • Leigh, David (1988). The Wilson Plot: The Intelligence Services and the Discrediting of a Prime Minister 1945–1976. London: Heinemann. ISBN 978-0-434-41340-9.
  • McLynn, Frank. The Burma Campaign: Disaster into Triumph 1942–1945 (Yale UP, 2011). 544pp
  • Moore, R. J. (1981). "Mountbatten, India, and the Commonwealth". Journal of Commonwealth & Comparative Politics. 19 (1): 5–43. doi:10.1080/14662048108447372.
  • Murfett, Malcolm (1995). The First Sea Lords from Fisher to Mountbatten. Westport, CT: Praeger. ISBN 978-0-275-94231-1.
  • Neillands, Robin. The Dieppe Raid: the story of the disastrous 1942 expedition (Indiana UP, 2005).
  • Ritter, Jonathan Templin. Stilwell and Mountbatten in Burma: Allies at War, 1943–1944 (U of North Texas Press, 2017).
  • Roberts, Andrew (2004). Eminent Churchillians. London: Phoenix. pp. 55–136. ISBN 978-1-85799-213-7.
  • Smith, Adrian. "Command and Control in Postwar Britain Defence Decision-making in the United Kingdom, 1945-1984". Twentieth-*Century British History 2 (1991): 291–327. online
  • Smith, Adrian. "Mountbatten goes to the movies: Promoting the heroic myth through cinema." Historical Journal of Film, Radio and Television 26.3 (2006): 395–416.
  • Terraine, John (1968). The Life and Times of Lord Mountbatten. London: Hutchinson. ISBN 978-0-09-088810-8.
  • Villa, Brian Loring, and Peter J. Henshaw. "The Dieppe Raid Debate." Canadian Historical Review 79.2 (1998): 304–315. excerpt
  • Von Tunzelmann, Alex (2008). Indian Summer: The Secret History of the End of an Empire. London: Pocket Books. ISBN 978-1-4165-2225-6.
  • v
  • d
  • e
Vice-reis da Índia
Companhia Britânica
das Índias Orientais
(1773–1858)
Flag of the British East India Company (1801).svg Flag of the Governor-General of India (1885–1947).svg Flag of the Governor-General of India (1947–1950).svg
Governo Britânico1
(1858–1947)
Governadores-gerais após a
independência da Índia2
Governadores-gerais após a
independência do Paquistão3
1 Após a Revolta dos Cipaios de 1857. 2 Como representantes de Jorge VI em seu papel como Rei da Índia (1947–50). 3 Como representantes de Jorge VI e Elizabeth II em seus papéis como Rei e Rainha do Paquistão, respectivamente.
  • v
  • d
  • e
Presidentes do Comitê Militar da OTAN
  • 1949–1951 Estados Unidos Omar Bradley
  • 1951–1952 Bélgica Etienne Baele
  • 1952–1953 Canadá Charles Foulkes
  • 1953–1954 Dinamarca E. J. C. Quistgaard
  • 1954–1955 França Augustin Guillaume
  • 1955–1956 Grécia Stylianos Pallis
  • 1956–1957 Itália Giuseppe Mancinelli
  • 1957–1958 Países Baixos B. R. P. F. Hasselman
  • 1958–1959 Noruega Bjarne Øen
  • 1959–1960 Portugal J. A. Beleza Ferraz
  • 1960–1960 Turquia Rüştü Erdelhun
  • 1960–1961 Reino Unido Louis Mountbatten
  • 1961–1962 Estados Unidos Lyman Lemnitzer
  • 1962–1963 Bélgica C. P. de Cumont
  • 1963–1964 Alemanha Adolf Heusinger
  • 1964–1968 Bélgica C. P. de Cumont
  • 1968–1971 Reino Unido Nigel Henderson
  • 1971–1974 Alemanha Johannes Steinhoff
  • 1974–1977 Reino Unido Peter Hill-Norton
  • 1977–1980 Noruega H. F. Zeiner-Gundersen
  • 1980–1983 Canadá Robert Hilborn Falls
  • 1983–1986 Países Baixos Cornelis de Jager
  • 1986–1989 Alemanha Wolfgang Altenburg
  • 1989–1993 Noruega Vigleik Eide
  • 1993–1996 Reino Unido Richard Vincent
  • 1996–1999 Alemanha Klaus Naumann
  • 1999–2002 Itália Guido Venturoni
  • 2002–2005 Alemanha Harald Kujat
  • 2005–2008 Canadá Ray Henault
  • 2008–2011 Itália Giampaolo Di Paola
  • 2011–2015 Dinamarca Knud Bartels
  • 2015–2018 Chéquia Petr Pavel
  • 2018–2018 Reino Unido Stuart Peach
  • v
  • d
  • e
1ª geração
2ª geração
3ª geração
4ª geração
5ª geração
Tatiana • Henrique, Conde de Medina • Ella • Alexandra • Luísa
*Filho de Alice de Battenberg e André da Grécia e Dinamarca. Embora, patrilinearmente um membro da Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg, renunciou aos seus títulos principescos gregos e dinamarqueses e levou o sobrenome Mountbatten antes de casar com a futura rainha Isabel II do Reino Unido.
  • v
  • d
  • e
História
Filosofias
e ideologias
  • Ambedkarismo
  • Gandhismo
  • Nacionalismo hindu
  • Nacionalismo indiano
  • Movimento Khilafat
  • Nacionalismo muçulmano no sul da Ásia
  • Satyagraha
  • Socialismo
  • Movimento Swadeshi
  • Swaraj
Eventos e
movimentos
  • Partição de Bengala (1905)
  • Partição de Bengala (1947)
  • Revolucionários
  • Dia de Ação Direta
  • Conspiração Delhi-Lahore
  • The Indian Sociologist
  • Motim de Singapura
  • Conspiração indo-alemã
  • Champaran Satyagraha
  • Kheda Satyagraha
  • Comitê Rowlatt
  • Projetos Rowlatt
  • Massacre de Jallianwala Bagh
  • Motins de Noakhali
  • Movimento de não cooperação
  • Conspiração do Dia de Natal
  • Movimento Coolie-Begar
  • Incidente de Chauri Chaura
  • Conspiração Kakori
  • Massacre de Qissa Khwani
  • Bandeira Satyagraha
  • Bardoli
  • Protestos de 1928
  • Relatório Nehru
  • Quatorze Pontos de Jinnah
  • Purna Swaraj
  • Marcha do Sal
  • Dharasana Satyagraha
  • Marcha de Vedaranyam
  • Ataque ao arsenal de Chatigão
  • Pacto Gandhi–Irwin
  • Conferências de Mesa Redonda
  • Lei de 1935
  • Experimento de Aundh
  • Legião Índia Livre
  • Missão Cripps
  • Quit India
  • Motim de Bombaim
  • Golpe de Estado de Yanaon
  • Governo Provisório da Índia
  • Dia da Independência
  • Movimento Praja Mandala
Organizações
Reformadores
sociais
Ativistas da
independência
Líderes britânicos
Independência